quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Reforma administrativa vai abrir espaço para Sandes e Eurípedes Júnior na Câmara dos Deputados

O governador Marconi Perillo (PSDB deve proceder uma reforma administrativa até dezembro? É o que se comenta nos bastidores. O que se diz é que, depois das eleições, o tucano-chefe planeja contemplar a nova correlação de forças políticas com o objetivo de reformatar sua base tanto para governar — com uma equipe mais motivada — quanto para a disputa das eleições de 2018

Como Heuler Cruvinel (PSD) não foi eleito prefeito de Rio Verde, o suplente Sandes Júnior (PP) deixa a Câmara dos Deputados, em novembro. Porém, tanto em consideração a Sandes quanto atendendo pedido do senador Wilder Morais, presidente do PP, Marconi Perillo deve mexer no xadrez do governo com o objetivo de manter o parlamentar em Brasília.

O presidente do PROS em Goiás, Eurípedes Júnior, relatou a dois parlamentares que Marconi prometeu-lhe que emplaca 2017 na Câmara dos Deputados.

Porém, se quer levar Sandes Júnior e Eurípedes Júnior para o Parlamento, Marconi precisa retirar dois deputados federais de Brasília e colocá-los em seu governo.

Cotado para a Secretaria da Fazenda (ou para a Secretaria de Desenvolvimento), Giuseppe Vecci, do PSDB, disse ao Jornal Opção que não planeja deixar a Câmara dos Deputados. “Aliás, não fui convidado”, sublinha.

O deputado federal Célio Silveira, do PSDB, admitiu a um parlamentar que, se convidado para a Secretaria da Saúde, aceitará o cargo. Sua vaga seria ocupada por Sandes Júnior. O secretário da Saúde, Leonardo Vilela, seria, assim, transferido para a Secretaria de Desenvolvimento ou então indicado para o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) ou para o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O deputado Heuler Cruvinel também é cotado para assumir uma secretaria, possivelmente a de Desenvolvimento Econômico. Ele quer? Um deputado afirma que, se convidado, aceitará o cargo.

Ao contrário do que comenta o baixo clero, Vilmar Rocha deverá ser mantido na Secretaria das Cidades e Meio Ambiente. O presidente do PSD teria aresta com o tucano-chefe? Nada que a realpolitik, agora conhecida como 2018, não possa levar à superação.

O prefeito de Catalão, Jardel Sebba, do PSDB, que perdeu a reeleição, deve ocupar um cargo de proa no governo. Além de aliado, é amigo de Marconi Perillo. Teria recebido um recado de que não será “abandonado”. O tucanato sabe que, numa cidade estratégica como Catalão, é preciso manter uma força política com alguma estrutura.

Marconi Perillo está de olho, há algum tempo, no deputado Francisco Júnior. Seu bom desempenho na eleição de 2016, sobretudo a percepção de que se trata de um político de ideias modernas, teria agradado o tucano-chefe.

A Secretaria mais “empacada” do governo é a de Educação. Há o consenso de que Raquel Teixeira entende de educação, ao menos na teoria, mas falta-lhe aptidão para a área de gestão. Um secretário-gestor teria dado conta de implantar o sistema de organizações sociais ao menos em parte das escolas públicas.

É consensual que o sistema de OSs na educação já teria implantado por um gestor, como Marcos Tucano das Neves. Mas, frise-se, Raquel Teixeira está prestigiada e, portanto, deve ser mantida no cargo.

O deputado federal Marcos Abrão, do PPS, prefere ficar em Brasília, segundo uma fonte do governo. No entanto, se quiser, pode ocupar uma secretaria de prestígio na equipe de Marconi Perillo.

Para o lugar de Ana Carla Abrão, que deixará a Secretaria da Fazenda em dezembro, Marconi Perillo ainda não definiu um sucessor. Tanto pode ser uma pessoa do mercado, de fora do Estado, quanto um de seus auxiliares ou o presidente da Celg, Fernando Navarrete.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Melhores da semana