Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display

404

Página não encontrada

Início
Por iniciativa do deputado Lira (PHS), foi realizada na Câmara Legislativa audiência pública, nesta segunda-feira (20), para debater a PEC 287/2016 que trata da reforma da Previdência

O evento contou com autoridades bastante representativas que apontaram as perdas que os trabalhadores sofrerão caso a proposta do governo federal seja aprovada no Congresso Nacional. 

Lira ressaltou que é contra os termos propostos na PEC, pelos quais um trabalhador terá de contribuir quase meio século para ter direito à aposentadoria integral. “Também não concordo com a idade mínima, de 65 anos, tanto para homens quanto para mulheres”, declarou em seu discurso, acrescentando que o aposentado deve ter sua qualidade de vida assegurada.

“Antes de apresentar essa proposta tão prejudicial aos brasileiros, o governo federal deveria fazer seu dever de casa, ver quem está fazendo errado e punir. Antes de ir ao trabalhador, o governo deve ir atrás dos grandes devedores, dos grandes latifundiários, das grandes corporações para fazê-las pagar o que devem para proporcionar o equilíbrio nas contas do sistema previdenciário”, afirmou Lira.

O deputado afirmou que vai se reunir com os oito deputados federais e os três senadores do Distrito Federal para pedir que esses parlamentares votem contra a PEC 287.

“Também vamos procurar mobilizar os trabalhadores, a sociedade. Vou preparar panfletos, folhetos e vamos levar às ruas para esclarecer as pessoas. Afinal, é o futuro dos jovens, é o futuro das próximas gerações que está em jogo”.

Bom para banqueiros – Para a coordenadora geral da associação Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fattorelli, essa reforma atende aos interesses dos bancos ao empurrar o trabalhador para o setor previdenciário privado.

Já o vice-presidente de Política de Classe da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), Floriano Martins de Sá Neto, disse que essa PEC é bancada pelo sistema financeiro e ameaça todos os brasileiros. “Essa proposta é inconstitucional. Ela desconstitui as políticas sociais da Constituição de 1988”.

Segundo ele, a dívida ativa previdenciária atinge cerca de R$ 400 bilhões. “Os sonegadores atrapalham a vida de quem paga em dia. Esse valor seria suficiente para manter o sistema previdenciário funcionando normalmente. Mas como quem deve todo esse montante são grandes empresas, ligadas a figuras poderosas no país, não há interesse em cobrar", comentou.

“Covardia” - Quem também se pronunciou contra a PEC 287 foi o senador Paulo Paim (PT-RS). De acordo com ele, o governo desafiou e vamos responder: “Essa reforma não passará”. O senador afirmou ainda que o governo cometeu uma “covardia irresponsável de mandar contra nós duas reformas: a previdenciária e a trabalhista”.

"Se esse governo fosse legítimo, não estaria fazendo isso. Mas como se trata de um presidente ficha-suja, que não pode mais concorrer à eleição, está tentando empurrar essa reforma. E temos que ficar atentos, pois também querem acabar com o 13º salário, férias, horas-extras e muitos outros direitos conquistados pelos trabalhadores em décadas de lutas", advertiu.

Paim destacou que nenhum país do mundo tem um regime previdenciário no qual o trabalhador deve contribuir por 49 anos. “Você vai pagar a vida toda um fundo que não vai te dar retorno”. O parlamentar defendeu a criação da CPI da Previdência para exigir transparência nas contas do sistema.

Também durante a audiência pública, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), Ângelo Fabiano Farias da Costa, criticou o que chamou de “PEC do Caixão”. Ele considera execrável essa reforma e diz que falta debate na ponta (com quem será diretamente afetado) a fim de que a população saiba dos prejuízos a que será submetida.

O presidente da ANPT convidou os presentes a participarem, na próxima quarta-feira (22/02), às 10h, de ato público contra as reformas previdenciária e trabalhista, no auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados.

Greve geral - Quem se manifestou ainda contra a PEC 287 foi o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) e representante da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCTS), João Domingos Gomes dos Santos: “Essa reforma é um lixo e vamos empurrá-la para a lata do lixo”, declarou. Segundo ele, o governo está cometendo o maior ato de lesa-pátria já cometido no País e defendeu uma greve geral para barrar a reforma.

Nessa mesma linha, o presidente do Sindicato dos Servidores Civis da Administração Direta, Autarquias, Fundações e Tribunais de Contas do DF (Sindireta-DF), Ibrahim Yusef, anunciou a convocação de greve geral a partir de 15 de março.
Leave A Reply

Blog do Paulo Roberto Melo

[name=Blog do Paulo Melo] [img=https://2.bp.blogspot.com/-SMQa2r91n1w/WxcuM5dFiAI/AAAAAAAAHbE/-xMkvHecaMMxZr2u27V4lWwHMKY6IgyqgCK4BGAYYCw/s0/BLOG-DO-PAULO-MELO-ELEI%25C3%2587OES-2018.png] [description=Sou formado em Gestão Pública pela UCDB e Gestão Empresarial na UNIPLAN, já cursei Ciência Política na UDF, trancando no 3° período. Também cursei Ciências Contábeis na UPIS.Tenho pos graduação em Gerenciamento de Projetos pela Uniandrade e MBA em Marketing pela FGV..] (facebook=Facebook.com) (twitter=Twitter.com) (instagram=Instagram.com) (bloglovin=Blogvin.com) (pinterest=Pinterest.com) (tumblr=Tumblr.com)