terça-feira, 29 de agosto de 2017

"Sou candidato a fazer algo por Brasília", diz Frejat

Em entrevista coletiva a jornalistas e blogueiros da ABBP, nesta quarta-feira (22), o médico Jofran Frejat (PR), que disputou o segundo turno da eleição de 2014, como candidato a governador do Distrito Federal

Frejat, respondeu a uma pergunta que muitos fazem: se diante dos seus 80 anos de idade, será candidato em 2018. “Estou velho, mas não velhaco. Se me escolherem como candidato eu estarei na luta”, disse.


Frejat deixou claro que não irá brigar ou fazer cabo de guerra para ser o candidato em 2018 “a isso ou aquilo”, dentro do grupo em que está inserido o qual conta com outros bons nomes que lutam para se cacifar como tal.

Ele disse que na semana passada, o grupo fez uma reunião e que só soube por meio dos jornais. “Não me convidaram, nem mesmo o presidente do meu partido, o PR. Foi estranho isso. Mesmo assim, não estou zangado”.

“Dentro desse grupo, continuo cumprindo o acordo feito de que, quem tiver melhor nas pesquisas, no próximo ano, teria o apoio de todos. Ocorre, que vários desses nomes já estão dizendo que são pré-candidatos a governador, independente deste entendimento. Eu continuo honrado o que foi firmado, apesar do meu nome aparecer entre os primeiros mais bem pontuados nas pesquisas”, afirmou.

Também esclareceu sobre um encontro entre ele, o senador Cristovam Buarque (PPS) e o presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT). “Nada disso aconteceu”, desmentiu.

Frejat disse que não pode se negar a ouvir todos os que o procuram. “Ultimamente, em Brasília, estão usando o termo direita e esquerda como elemento para adquirir votos. Não faço divisão sobre o que é esquerda ou direita. Isso não é uma preocupação. Aliás, há uma coisa muito curiosa comigo: sou destro da mão e canhoto do pé. Não sei por que isso aconteceu. Nasci assim”.

Segundo Jofran Frejat, política não se faz ciscando pra fora por correr o risco de não dar certo. “Política se faz é trabalhando pra dentro e que ninguém se iluda de que o atual governador, com a força e a caneta nas mãos não possa ter a grande possibilidade de crescer eleitoralmente”.

Para Frejat, o fato do nome dele aparecer bem pontuado nas pesquisas se dar em razão de ter sido candidato a governador do DF em 2014, e que é natural que o seu nome esteja no consciente do eleitorado brasiliense.

“Para o meu nome aparecer nas pesquisas, acredito que seja por conta da eleição passada e pelo meu trabalho ao longo dos anos na área da saúde, o que reflete com mais intensidade por causa da situação caótica que passa a saúde do DF. Somam-se a isto a lisura de procedimento que carrego comigo. Julgo que esses são os principais elementos que me fazem está bem no consciente popular”, apontou.

Afirmação frustra as expectativas de vários candidatos que sonham em ter Frejat como seu vice. A idade também não parece ser um problema. Jofran está lúcido, com bom humor e ampla visão dos problemas do Distrito Federal.


“Ainda não lancei meu nome a nenhum cargo, por enquanto não sou candidato a nada, quero ajudar Brasília, mas se meu nome for o melhor nas intenções de voto, estarei à disposição do meu partido”.

Chama o Frejat
Jofran Frejat participou de uma coletiva com a Associação de Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP), na quarta-feira (23/8), na sede do Partido da Republica (PR). Uma das frases que chamou atenção foi a afirmação de que durante anos, toda vez que caia o padrão da saúde, ele era convidado para assumir a Secretária de Saúde do DF.

Sou velho e não velhaco
Apesar de ter 81 anos, Frejat mostrou que a idade não deve atrapalhar em nada, caso venha a ser eleito para um cargo nas eleições de 2018. Frejat afirmou num tom de orgulho, que é velho, mas não velhaco. E se divertiu ao comentar a idade de seus parentes, boa parte na casa dos 90 anos.

Biografia respeitável
Frejat foi eleito deputado federal cinco vezes, foi nomeado secretário de saúde do DF por quatro vezes e se orgulha de ter implantado praticamente toda a rede de saúde do DF. Para Frejat, “resolver a demanda da saúde passa por retirar todas as questões políticas da secretaria de saúde. Política e saúde não andam juntas”.

OS não
Questionado sobre ter sido consultado por outros governos em relação a saúde, Frejat afirmou que o ex-governador José Roberto Arruda chegou a convida-lo para assumir a pasta, mas um dos motivos que o levou a recusar o convite foi o fato do Hospital de Santa Maria ter sido entregue para ser administrado por uma Organização Social (OS). Agnelo chegou a consulta-lo sobre a faculdade da saúde, mas sem convites.

Grupo da direita
Em relação ao encontro ocorrido na semana passada entre Fraga (DEM), Izalci (PSDB), Roney Nemer (PP), Filipelli (PMDB) e Alírio (PTB), Frejat disse que nem ele e nem nenhum membro do PR foram convidados, apesar da gafe dos organizadores do almoço, Frejat confirmou que apoiará o candidato com melhores condições de ser eleito para governar o DF.

Menos Izalci
Frejat lembrou que desse grupo, o único que não o apoiou na eleição de 2014 foi o deputado federal Izalci Lucas (PSDB), que por determinação partidária apoiou a candidatura de Rodrigo Rollemberg (PSB).

Candidato a nada
Jofran afirmou que não é candidato a nenhum cargo. Lembrou que em sua primeira eleição em 1986 e também na última, no primeiro momento como vice-governador, não foi uma vontade sua, em ambas as situações ele foi convidado ou melhor, convocado para ser candidato.

Candidatura ao Senado
Apesar da ampla experiência no parlamento, Frejat afirmou que entre o Senado e o GDF, entende que ajudará mais o Distrito Federal, se for candidato a governador.

Joe e Cristovam
Frejat desmentiu que tenha havido qualquer conversa em relação a uma coligação dele com Joe Valle (PDT) ou Cristovam Buarque (PPS), mas não descartou a possibilidade. “Em política não se pode ciscar para fora, tem que ciscar para dentro. Não descarto a possibilidade de união com esses partidos”, afirmou.

Articulação em alta
Frejat tem sido convidado para conversar com diversos políticos, além dos nomes conhecidos da direita, ele já se encontrou com os distritais Chico Leite (REDE), Professor Israel (PV), Cláudio Abrantes (sem partido) e com o senador Cristovam Buarque (PPS).

Coligação fake
Aos risos, Frejat disse que tem sido informado pela imprensa sobre as prováveis alianças entre ele e outros candidatos. A chapa Frejat/Alírio e Frejat/Joe/Cristovam foram algumas delas. Por hora, Frejat afirmou que o único compromisso que tem é o de apoiar ou ser apoiado pelo nome que estiver melhor nas pesquisas e garantiu que manterá sua palavra.

Saúde bilionária
Frejat destacou que o orçamento da saúde no DF é maior do que todo o orçamento do Estado de Alagoas e maior do que o orçamento da saúde de todo o estado do Rio de Janeiro. No DF o orçamento da saúde é superior a 6 bilhões.

Liderança do governo
Questionado se o fato do deputado distrital Agaciel Maia, do seu partido, ser o líder do governo de Rodrigo Rollemberg, Frejat afirmou que “nem os filhos seguem o que queremos”, mas destacou a competência e a disposição do distrital em ajudar o Distrito Federal.

Por fim, Jofran Frejat disse que não pleiteou ser candidato a governador e nem a senador. No entanto, confirmou aos jornalistas e blogueiros da ABBP que tem sido insistentemente procurado por inúmeros setores da sociedade para encarar as urnas em 2018. “O meu interesse é trabalhar e recuperar Brasília. Qual a posição? Não sei dizer agora”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Melhores da semana