domingo, 29 de julho de 2018

Artigo: O Pão partilhado

Dom Sergio da Rocha

Neste e nos dois próximos domingos, interrompemos a leitura do Evangelho segundo Marcos, por ser o mais curto, para ler e meditar o capítulo sexto do Evangelho segundo João. Nele, Jesus se apresenta como o Pão da Vida, que multiplica o pão, saciando a fome da multidão

O tema do pão partilhado já se encontra na primeira leitura. O profeta Eliseu partilha com o povo os pães que lhe foram oferecidos, ao invés de guardá-los para si. Ao realizar esse gesto de generosidade e partilha, Eliseu mostra que Deus quer saciar a fome do seu povo. É uma prefiguração do “sinal” realizado por Jesus.

O apóstolo Felipe, assim como ocorreu com o servo do profeta Eliseu, não acreditava ser possível saciar a fome do povo, considerando o pouco que tinham. Deus abençoa e multiplica o pão partilhado! Ele conta, hoje, com o pouco que podemos oferecer para multiplicar o pão, assim como Jesus contou com a colaboração das pessoas para realizar tantos outros milagres, “sinais” da chegada do Reino.

A narrativa joanina da multiplicação dos pães realça a significativa figura de um menino que oferece os pães e os peixes. Era muito pouco perante a multidão que ali estava. A condição física e social de uma criança, marcada pela fragilidade e pequenez, torna ainda mais significativa a oferta dos cinco pães e dois peixes, que somados equivalem a sete, número da totalidade ou plenitude, no contexto bíblico. Portanto, não se oferece apenas o que sobra ou que tem pouco valor, mas o que se tem e que se considera importante. Acrescente-se a isso, o gesto de Jesus de dar graças pelos pães e os peixes, expressando que os bens partilhados são dons de Deus.

Infelizmente, há muita indiferença perante o drama da miséria e da fome, conforme tem ressaltado o Papa Francisco. É preciso dispor-se a partilhar generosamente o pouco que se tem, reconhecendo que os bens são dons de Deus. É ele o Senhor! Somos apenas administradores de bens que são dele e de cuja administração nós devemos prestar contas a ele. Contudo, o Evangelho de hoje nos convida a colocar nossa fé em Jesus Cristo, o Pão da Vida, que vem saciar a nossa fome de vida e que, através de nós, apesar da nossa fragilidade e pequenez, quer saciar a fome sofrida por tanta gente: fome do pão cotidiano nas casas, fome do pão da Palavra e da Eucaristia. Além das iniciativas pessoais, são muito importantes as ações comunitárias, isto é, a vivência comunitária da caridade e da partilha através das pastorais e dos movimentos. A celebração eucarística, no qual partilhamos o Pão da Vida, seja fonte e sustento da partilha do pão cotidiano!

*Dom Sergio da Rocha é Cardeal Arcebispo de Brasília e presidente da CNBB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Melhores da semana