Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display

404

Página não encontrada

Início
Na semana em que se comemoram os 11 anos da Lei Maria da Penha, celebrados em 7 de agosto, o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) destaca suas diversas ações voltadas para que as mulheres conheçam a rede de proteção às vítimas de violência doméstica e familiar

Resultado de imagem para lei maria da penha
Uma dessas ações é a cartilha “Violência contra a mulher”. A publicação traz contatos atualizados dos locais onde encontrar serviços, assistência jurídica e programas de apoio, além de informações para identificar uma situação de violência e orientações de segurança.

O material é usado nos acolhimentos individuais e coletivos das mulheres que sofreram algum tipo de violência e em eventos como palestras e workshops. “A cartilha aborda o ciclo da violência, fala da questão de gênero e apresenta a rede de apoio. É muito importante para aumentar a informação das mulheres”, explica a assessora técnica na área de violência doméstica Ednair Macedo, representante do MPDFT na Casa da Mulher Brasileira.

A Casa integra, no mesmo espaço, apoio psicossocial, orientação jurídica, brinquedoteca para as crianças, qualificação profissional para autonomia financeira, alojamento de passagem e central de transportes. No local, elas têm acesso ainda ao Centro Judiciário da Mulher, ao Núcleo de Gênero do Ministério Público, à Defensoria Pública, à Delegacia Especial de Atendimento a Mulher e aos serviços do governo local.

Clique aqui para conferir a cartilha.

Outras ações no MPDFT

O Núcleo de Gênero Pró-Mulher do MPDFT foi criado em dezembro de 2005, antes mesmo da edição da Lei Maria da Penha, para articular as políticas públicas e institucionais voltadas para o enfrentamento e a prevenção da violência doméstica e familiar contra a mulher. Por meio dele, o MPDFT executa o projeto “Proteção integral à mulher em situação de violência doméstica e familiar”.

O termo de cooperação com os Núcleos de Atendimento à Família e aos Autores de Violência Doméstica (Nafavd) também é exemplo da parceria do MPDFT com a Secretaria de Políticas para as Mulheres. O trabalho com mulheres e homens é realizado por profissionais altamente qualificados, funcionando os Nafavds nas dependências do Ministério Público em diversas Regiões Administrativas. Além disso, o MPDFT conta com as cartilhas "Direitos e obrigações dos homens no enfrentamento à violência doméstica" e "Vamos conversar?", em parceria com a ONU Mulheres, com o Tribunal de Justiça do DF (TJDFT), Polícia Civil do DF e Defensoria Pública, para sensibilizar as vítimas a identificarem as diversas formas de violência e denunciarem.

Entre outros projetos, destacam-se o "Portas abertas", da Promotoria de Justiça de Sobradinho, o "Maria da Penha vai à escola", em parceria com o TJDFT, para capacitar os professores a identificar e comunicar casos de violência sexual contra crianças e adolescentes e o "Notifique", para capacitar profissionais da saúde sobre a importância da notificação compulsória de casos de violência doméstica contra a mulher e crianças e adolescentes.

Merecem destaque também o Cadastro Nacional de Violência Doméstica contra a Mulher, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), cuja elaboração contou com o apoio do Núcleo de Gênero do MPDFT e o "Tardes de reflexão", que começou na Promotoria de Justiça de Brazlândia, em parceria com a Secretaria da Mulher do DF, e atualmente é desenvolvido em outras quatro promotorias de Justiça, com objetivo de dar esclarecimentos às mulheres e aos homens envolvidos em crimes de violência doméstica e familiar, além de encaminhá-los aos serviços da rede.

Violência doméstica no DF

Em 2016, Ceilândia liderou o ranking das cidades no DF com maior registro de violência doméstica contra a mulher. De um total de 13.098 inquéritos policiais e termos circunstanciados, mais de 18% foram na região administrativa, com 2.375 ocorrências. Brasília e Sobradinho também apresentaram grande incidência desse tipo de crime, com 1.469 e 1.066 registros, respectivamente. Os dados são resultado de levantamento feito pelo MPDFT, e consolida números de 2006 a 2016. Clique aqui para ter acesso às estatísticas.

Entre as principais incidências, estão a ameaça (7928), injúria (7597) e lesão corporal (4247). De acordo com a coordenadora do Núcleo de Gênero Pró-Mulher, promotora de Justiça Liz-Elainne Mendes, esses crimes merecem mais atenção para evitar práticas mais gravosas, inclusive o feminicídio.

Segundo Liz-Elainne Mendes, essas estatísticas são importantes para direcionar as políticas públicas nas regiões mais afetadas e prevenir novos casos. “O diagnóstico da violência contra a mulher deve orientar o trabalho preventivo nas regiões de maior incidência. Atualmente, os promotores de Justiça que atuam na defesa das mulheres nas regiões administrativas participam das reuniões da rede local e fiscalizam os estabelecimentos que oferecem serviços às vítimas”.

O Núcleo de Gênero têm buscado ampliar e fortalecer os programas governamentais num trabalho conjunto com diversos parceiros. “Em breve, será lançado o programa de segurança com celular de socorro para mulheres classificadas em situação de risco extremo”, comenta a promotora Liz-Elainne.

O aumento de inquéritos pode significar que as vítimas estão mais dispostas a denunciar as agressões ou que a violência doméstica tem aumentado no DF, como explica Liz-Elainne: "É plausível que no DF, por existirem muitos equipamentos públicos para o enfrentamento da violência doméstica e familiar, haja um encorajamento maior para que as mulheres busquem auxílio, inclusive no sistema de Justiça. No entanto, não há como afastar a possibilidade de que a violência contra a mulher esteja aumentando no território”, esclarece.
Leave A Reply

Blog do Paulo Roberto Melo

[name=Blog do Paulo Melo] [img=https://2.bp.blogspot.com/-SMQa2r91n1w/WxcuM5dFiAI/AAAAAAAAHbE/-xMkvHecaMMxZr2u27V4lWwHMKY6IgyqgCK4BGAYYCw/s0/BLOG-DO-PAULO-MELO-ELEI%25C3%2587OES-2018.png] [description=Sou formado em Gestão Pública pela UCDB e Gestão Empresarial na UNIPLAN, já cursei Ciência Política na UDF, trancando no 3° período. Também cursei Ciências Contábeis na UPIS.Tenho pos graduação em Gerenciamento de Projetos pela Uniandrade e MBA em Marketing pela FGV..] (facebook=Facebook.com) (twitter=Twitter.com) (instagram=Instagram.com) (bloglovin=Blogvin.com) (pinterest=Pinterest.com) (tumblr=Tumblr.com)