-->



Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display





















404

Página não encontrada

Início


Existe uma culinária tipicamente brasiliense?


Foto: Marcelo Casal Jr.

Quem gosta de viajar geralmente busca os diferentes sabores dos lugares que visita. E quem chega a Brasília encontra um prato típico da capital federal? Para o professor de Gastronomia Marcos Lélis, esse prato ainda não foi criado. E talvez nem seja.

Lélis explica que, hoje, a característica da mesa de Brasília é reunir os diferentes sabores que existem no Brasil e no mundo. “Brasília contempla tudo que ela quiser, que ela pode contemplar, se ela quiser. De restaurante temático às festas das embaixadas. Por exemplo, a Embaixada da Índia abre as portas e o que eles fazem? Comida. Da Espanha, a mesma coisa. Tailândia, a mesma coisa. Os centros de Tradição Gaúcha (CTGs), a mesma coisa. O pequi - fruto típico do cerrado da Região Centro-Oeste - que floresce aqui também vira comida”, diz.

A leitura que cada um faz sobre o que é um prato típico também é importante para entender se Brasília já produz uma culinária com identidade própria, segundo Marcos Lélis. “Como Brasília está geopoliticamente localizada dentro do estado de Goiás, a gente pode pensar que a cozinha brasiliense é uma cozinha goiana. Também podemos pensar que ela é composta por um tripé nordestino, mineiro e goiano, que formam a maioria dos imigrantes que chegaram aqui, mas que têm características distintas”, afirma.

A auxiliar administrativa Danielle Paiva, que nasceu no Rio de Janeiro e vive em Brasília desde pequena, acredita que a galinha preparada com o pequi já pode ser considerada um prato típico de Brasília. “É de Goiás, mas a gente aderiu.”

Comida é cultura
Para o professor Marcos Lélis, o que torna um prato típico vai além do fato de a comida ser consumida naquele lugar. Há uma conjunção de fatores. “Por que que a feijoada é um prato nacional? Porque todo mundo consegue ter acesso a todos esses cortes, diferente do tacacá nortista, já que nem todo mundo tem acesso ao tucupi, apesar de a mandioca ser plantada no país inteiro”, explica.

Além da disponibilidade dos ingredientes, de a receita ser acessível à grande parte da população local e de haver demanda por aquele prato, a construção de um prato típico é um processo histórico e cultural que leva muito tempo. Para Lélis, seis décadas ainda é pouco para observar esse processo. “É injusto comparar com qualquer outro estado do Brasil”, argumenta.

Com tantas possibilidades para a culinária brasiliense, o surgimento de um prato típico é incerto, mas os ingredientes locais já são amplamente consumidos em Brasília, e esse consumo pode ser um primeiro passo para a consolidação de uma comida regional. “A gente tem uma identidade que precisa ser valorizada, depois ser supervalorizada. Só assim vamos achar o equilíbrio. A própria cozinha regional brasileira está nos holofotes hoje, e Brasília deveria também ter isso. Deveria valorizar os produtos que são locais. Valorizar esse tripé de formação gastronômica para, a partir daí, criar alguma coisa. Algo que seja nosso”, conclui.
Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA

Blog do Paulo Roberto Melo

[name=Blog do Paulo Melo] [img=https://2.bp.blogspot.com/-SMQa2r91n1w/WxcuM5dFiAI/AAAAAAAAHbE/-xMkvHecaMMxZr2u27V4lWwHMKY6IgyqgCK4BGAYYCw/s0/BLOG-DO-PAULO-MELO-ELEI%25C3%2587OES-2018.png] [description=Sou formado em Gestão Pública pela UCDB e Gestão Empresarial na UNIPLAN, já cursei Ciência Política na UDF, trancando no 3° período. Também cursei Ciências Contábeis na UPIS.Tenho pos graduação em Gerenciamento de Projetos pela Uniandrade e MBA em Marketing pela FGV..] (facebook=Facebook.com) (twitter=Twitter.com) (instagram=Instagram.com) (bloglovin=Blogvin.com) (pinterest=Pinterest.com) (tumblr=Tumblr.com)