Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display



404

Página não encontrada

Início

Lucas Dezordi*


A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Esse valor negativo não era esperado pelo mercado e, de certa forma, tornou os analistas mais céticos em relação a novas previsões. Concomitantemente, levantou uma questão central sobre a velocidade de recuperação, assim como sua capacidade de manutenção ao longo do tempo. Este breve artigo, portanto, pretende analisar os dados mais recentes de nossa atividade e os desafios para uma retomada mais sustentável de nossa economia.

A demanda externa puxou para cima a economia no segundo trimestre. As exportações de bens e serviços cresceram 9,4% em relação ao período imediatamente anterior e 14,1% comparado com o mesmo trimestre do ano anterior. Esse crescimento é explicado pela forte demanda internacional de produtos agrícolas, máquinas e equipamentos, indústria automotiva e minerais não metálicos. A taxa de câmbio depreciada aliada à valorização dos produtos comercializáveis (tradables) impulsionaram o comércio internacional, contribuindo para um saldo na balança comercial positivo no valor de US$ 37,496 bilhões. O saldo é 68,2% maior que nos primeiros meses de 2020, sendo o melhor primeiro semestre da história.

Os sinais recentes indicam que o ritmo de crescimento das principais economias desenvolvidas e a chinesa tende a reduzir, impactando os preços internacionais. Associados a esse fator, os estímulos monetários dos principais bancos centrais devem continuar. Com efeito, teremos um ambiente macroeconômico internacional propício para alocação de capital nas economias emergentes, com uma tendência de depreciação do dólar frente às moedas desses países. Resumindo, com preços de commodities mais estáveis e dólar mais fraco vai ser ampliado o espaço para a retomada da demanda doméstica, principalmente nos países que avançaram na imunização de sua população.

É nesse ambiente internacional que a economia brasileira se encontra. Contudo, destaco três desafios centrais para um maior benefício econômico. Primeiro, devemos avançar na estabilidade político-institucional. No imbróglio do projeto orçamentário para o próximo ano, a proposta da PEC de parcelamento dos gastos com precatórios não foi bem aceita pelo mercado. Gerou insegurança jurídica, incertezas e preocupações com a criação de um fundo que poderia aumentar suas despesas acima do limite determinado pelo teto dos gastos. Um caminho alternativo proposto pelo ministro Fux seria a revisão dos valores. Nesta situação, o CNJ permitirá ao governo uma despesa de R$ 39,9 bilhões em dívidas judiciais ao longo de 2022. O restante – R$ 49,1 bilhões – teria pagamento previsto apenas para 2023.

O segundo desafio é o enfrentamento da atual crise hídrica. Estimo que os efeitos mais agudos do La Niña poderão gerar um racionamento compulsório o qual reduzirá o consumo em 10%. Nesse caso, o impacto negativo na atividade econômica poderá ser de uma perda de 1,25 pontos percentuais do PIB. Com isso, o governo deve avançar em um plano de redução imediata no consumo de energia, reduzindo desperdícios e evitando um racionamento forçado.

O terceiro fator está relacionado ao controle da inflação. Com instabilidade institucional entre os Poderes e a crise hídrica pressionando preços administrados, uma retomada mais rápida da atividade econômica doméstica poderá gerar maior pressão sobre a inflação de serviços, contaminando as expectativas de médio prazo. Com isso, a retomada de nossa economia deverá ocorrer em um ritmo mais moderado e focado em controlar os três principais riscos à instabilidade socioeconômica.

*Lucas Lautert Dezordi, é doutor em Economia, sócio da Valuup Consultoria, economista-chefe da TM3 Capital e professor da Universidade Positivo.

Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA