Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display



404

Página não encontrada

Início


Segundo noticiado pelo site oficial do governo federal, as exportações do agronegócio registraram valor recorde de US$ 8,84 bilhões para o mês de outubro, motivada pela alta dos preços internacionais das commodities. O valor é 10% superior aos US$ 8,036 bilhões exportados no mesmo mês de 2020.

Segundo a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a elevação dos preços médios de exportação foi determinante para o incremento das vendas externas, uma vez que cresceram 25,8% comparados a outubro de 2020. Já a quantidade vendida ao exterior apresentou recuo de 12,5% no período em análise (outubro de 2020 a outubro de 2021).

As importações de produtos do agronegócio subiram de US$ 1,2 bilhão, em outubro/2020, para US$ 1,4 bilhão, em outubro/2021 (+16,8%). Vários produtos importados apresentaram altas expressivas do preço médio, como trigo (+15,5%), óleo de palma (+68,7%) e azeite de oliva (+26,3%). De acordo com os analistas da SCRI, os principais destaques do mês foram soja em grão, carne suína, carne de frango e café.

Segundo a presidente da Comissão da Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputada federal Aline Sleutjes "esse resultado positivo e tantos outros que vemos em relação ao agronegócio brasileiro é fruto do trabalho incansável do governo federal, da ministra Tereza Cristina, um governo que se preocupa com o setor, que sabe da importância do produtor rural".

Recentemente o ministro da educação, Milton Ribeiro, assinou uma Resolução que dobra o limite de venda do pequeno produtor para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). O valor passa de R$20 mil para R$40 mil e beneficia os agricultores familiares, assentados da reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas, comunidades quilombolas, entre outros. Esse é só um pequeno exemplo do incentivo do governo federal aos produtores rurais.

O governo federal tem uma política pública forte de exportação dos produtos brasileiros, sem deixar o mercado interno descoberto, já que a produção brasileira alimenta o Brasil e mais 170 países, gerando segurança alimentar a estes parceiros, renda e emprego em nosso país.

A China se mantém como a principal compradora dos produtos do agronegócio brasileiro. De cada US$ 4 exportados, US$ 1 foi para o país asiático, o que significa exportação de US$ 2,25 bilhões para o mercado chinês em outubro/2021 (+ 6,2%). A China foi o destino de 80,8% da soja em grão brasileira exportada em volume (2,7 milhões de toneladas; +35%).

Segundo a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do MAPA, o principal setor exportador do agronegócio brasileiro foi o complexo soja, responsável por quase um terço do valor exportado no mês. As exportações do setor tiveram aumento de 50%, subindo de US$ 2,13 bilhões em setembro de 2020, para US$ 3,19 bilhões em setembro de 2021. A forte demanda chinesa pela soja brasileira foi responsável pelo recorde de embarque do mês de setembro.

As exportações de carnes (bovina, suína e de frango) também bateram o recorde na série histórica: o Brasil nunca havia exportado mais de US$ 2 bilhões em meses de setembro. Em 2021, as vendas externas de carnes no mês foram de US$ 2,21 bilhões, com expansão de 62,3% em relação a setembro de 2020. As exportações de carne bovina tiveram a maior contribuição nas vendas externas do setor, subindo de US$ 668,20 milhões em setembro de 2020 para US$ 1,19 bilhão em setembro de 2021 (+77,7%). A cada 10 frangos exportados no mundo, 4 são brasileiros, um número muito expressivo mostrando a força do nosso País.

Em 2021, o Brasil teve cinco setores do agronegócio que alcançaram valores muito expressivos na exportação: soja, proteínas, produtos florestais, complexo sucroalcooleiro, cereais, farinhas e preparações.

Vale ressaltar que o aumento do valor dos produtos ao consumidor brasileiro, não tem relação com o aumento da exportação, mas sim com o aumento do custo de produção nestes meses de pandemia, os itens que mais impactaram em nossos alimentos foram os combustíveis, os fertilizantes (produzidos em baixo volume, o que fez os preços ficarem acima da média no mercado global), a alta da energia elétrica que fazem parte do processo de distribuição e armazenamento dos alimentos, equipamentos,  maquinário e transporte.

Somos referência no agronegócio, crescemos 500% em 40 anos, deixamos de ser importadores de alimentos para sermos exportadores e responsáveis pela segurança alimentar de 170 países.  Este é o Brasil, o celeiro do mundo, base sólida quando se refere a alimentos em quantidade e qualidade.

 

Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA