“Mesmo sem fundo partidário o Avante conseguiu eleger um distrital”, disse Tiago Tarsis, secretário do partido





Tiago Társis, secretário do Avante-DF, foi entrevistado pelo Conectado ao Poder. Tiago é gestor de marketing, empresário que atua em eleições de todos os formatos e agricultor por hobby. Coordenador da campanha do deputado João Cardoso (Avante), reeleito no último domingo. Conversamos sobre a nominata do Avante, sobre e eleição de João Cardoso e sobre o resultado das eleições dos deputados distritais. Confira:

Como foi a campanha?

Eu sempre digo que eleição ganha é eleição que deu tudo certo, seja em sindicato, seja em entidade de classe ou nas eleições gerais. Aqui no partido eu já estava preparado para todas as dificuldades. Política é uma ciência, que não é exata, mas que move por tendências e nos profissionais da área temos que estar ligados nas tendências para não sermos surpreendidos negativamente. No geral avalio como muito bom o resultado do partido no DF, só gostaria de ter feito 35 mil votos para federal, mas faltou recursos.

O Avante teve fundo eleitoral?

Não. Infelizmente apesar do partido a nível nacional ter mais de 70 milhões de recursos não veio para o DF, para não dizer que não veio nada, veio R$ 3.333 para cada candidato, muito pouco, mas com as estratégias corretas que tracei para cada candidato conseguimos atingir o objetivo. Já sou acostumado a fazer campanhas sem dinheiro, estava preparado para ter recursos mais nunca contei com o dinheiro que poderia vir. Se tivesse recursos poderia ter tido mais votos, principalmente para federal. Os candidatos se viraram e fizeram as estratégias certas que elaborei, só não participei diretamente da campanha de uns 3 candidatos o resto montamos o planejamento estratégico e fiquei dia e noite acompanhando a eleição dos nossos candidatos. O dinheiro serve para contratar pessoas como eu, que vão falar para fazer as ações que eu já tinha elaborado com os candidatos a meses e movimentar pessoas para ir atras do voto do jeito certo, e isso nos demos aos nossos candidatos, a experiência tem como mensurar deu os votos necessários para eleger um distrital.

Você construiu a nominata do Avante e ajudou indicando candidatos para outros partidos. Como você avalia isso?

Para mim previsível, sempre coloquei nas rodas que o PSOL elegeria 2, sabia que o Max faria de 30 a 40, é uma tendencia nacional a ocupação dos espaços políticos por quem realmente é da quebrada, quem representa os menos favorecidos de verdade e eu já esperava o Fábio como mais votado. Eu ajudei a levar uns candidatos para fortalecer o União quando o Sardinha ficou uns dias lá. Minha vontade era o Eduardo Pedrosa eleito e lá fazendo uma segunda vaga para o Daniel Radar, mas sempre disse para o Eduardo que ele tinha que passar dos 20 mil votos, pois era incerto lá fazer 2, pois o restante da nominata poderia encolher e foi o que aconteceu. Já no Republicanos falei com o Delmasso que se Todi e Kelly fizessem menos de 5 mil cada não elegeria 2, era um partido só com cabeça e sem corpo. Esse é o jogo da nova regra que acompanhei de perto na Câmara e no Senado, a regra é clara. No Agir que indiquei alguns candidatos para serem candidatos por lá, era previsível a Jane ser eleita, pois junto de um candidato chamado Marcos Mauricio eram os 2 melhores produtos da eleição e ela conseguiu vender. Nosso modelo atual é matemático, fiz minhas contas e era muito melhor colocar amigos em partidos com possibilidade de eleição em outros partidos do que perder os votos deles aqui no Avante. Foi arriscado? foi, mas a matemática é onde eu me garanto, onde eu analiso todos os candidatos dos partidos com clareza e consigo prever as votações reais, no final fiquei muito feliz com o resultado no geral.

Alguma surpresa para você nas na composição da Câmara Legislativa?

Surpresa nenhuma, 2 nomes apenas. Nas minhas contas era PL com 3, fez 4 pela média, imaginava os 3 que foram eleitos na ponta, mas o Sardinha em 4 e o Thiago com o apoio da Bia conseguiu ficar no meio dos mais votados, ele para mim foi uma surpresa em ficar na ponta, sempre falei que o Daniel tinha a melhor bandeira de votos do DF é uma tendência nacional e ele é habilidoso. No PT sabia do Gabriel e ganhei algumas apostas, fomos chefe de gabinete juntos na CLDF e dona Arlete é um avião, o Gabriel o novo no PT e era esperado o Ricardo com mais de 15 mil votos com o apoio do irmão (Paulo Tadeu). No PSOL eu esperava Max com 30 e Fábio com 30 podendo ser o mais votado e ele estourou de votos. No MDB imaginava 3 com o Hermeto com muitos votos nas cidades e assim aconteceu. Para mim a última surpresa, foi o PSD fazer 2, achei que só faria um, que seria o Jorge Vianna, mas fez 2 e ficou com a vaga que imaginava que o Patriotas faria, mas com a saída do Benício e outros problemas internos não conseguiu fazer o 80/20. O restante acertei tudo na mosca, quem seria eleito e quais partidos faria na sobra. Logicamente que gostaria de eleger 2, mas quando a Renata decidiu não ficar e outros 2 candidatos saíram do Avante, que foram o Rogerio e o Miguel da 26, já sabia que seriam missão difícil, só daria certo se o João estourasse de votos como o Fábio, mas não consegui fazer isso acontecer, estava cuidando dos candidatos no coletivo.

E a candidatura do Paco Britto?

Ajudou, afinal os votos dele foram validados dentro do partido. Tivemos problemas internos, algumas desistências e desânimos, pois foi uma candidatura aparentemente robusta, mas no final os votos dele ajudaram sim. O processo poderia ter sido tranquilo aqui no partido, mas no final todos ajudaram e em eleição com vitória todos contribuíram. Agradeço a ele por ter confiado o partido a mim e agora vou brigar por todos os candidatos de acordo com suas respectivas votações. Já na questão partidária eu sofri muito sem recursos, agradeço nominalmente a ajuda do André, Anderson, Duda, Lietierre, Samuel e Joilson, que me ajudaram muito no partido e mesmo sem dinheiro me ajudaram a fazer milagres.

Quais os próximos passos?

Primeiro conversar com o deputado João Cardoso, que foi eleito e apoiou o Governador Ibaneis, que é sério e tende a liderar o partido junto ao novo mandato do Governador. Segundo é esperar a eleição nacional acabar pois o partido está em uma base de apoio. Terceiro é ter tranquilidade para avaliar as possibilidades e manter o grupo unido e nisso o João é mestre, confio nele. Nessas eleições eu não consegui ajudar nas eleições majoritárias como gostaria, estava com muitos incêndios para apagar no partido e muitos candidatos em outros partidos para tentar eleger, achei que daria 2º turno no DF, torcendo para não dar e acabar logo e assim foi. Fico feliz com a vitória do Ibaneis. Eu particularmente vou prestar serviço fora do DF nesse segundo turno, mas acompanhando as composições, afinal montei um time de amigos que foram eleitos em outros partidos e a política é a arte do diálogo. Sem falsa demagogia considero que consegui me firmar tanto montando partidos, quanto elegendo candidatos, agora é sentar a mesa para contribuir mais com o DF.

Previsão para o resultado nacional?

Como profissional da área do marketing vejo que o Lula é o favorito pela alta rejeição do Bolsonaro, vi pessoas que nunca votaram no 13, votando no Lula para tirar o Bolsonaro, mas tudo pode mudar em um debate ou uma derrapada como foi ACM na Bahia, estava eleito e quase perdeu no primeiro turno por uma derrapada grave. Se nada de novo acontecer de novo ou impactante, na minha opinião dá Lula e Geraldo Alckmin, e lembrem que Alckmin é o vice.

Parabéns pela eleição!

Obrigado pela consideração, obrigado a todos os candidatos envolvidos nesse processo e principalmente aos eleitores que confiaram seus votos nos candidatos do Avante-DF.

Fonte: Conectado ao Poder

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem