Combate à Dengue nos Condomínios: uma responsabilidade coletiva

Em meio ao cenário preocupante do aumento dos casos de dengue no Brasil, o Ministério da Saúde tem intensificado as ações de combate ao Aedes Aegypti desde 2023. Com a previsão de um crescimento no número de casos este ano, é crucial voltarmos nossa atenção para um ambiente frequentemente negligenciado no combate à dengue: os condomínios

por Paulo Melo



A presença do mosquito da dengue em condomínios residenciais é uma realidade que não pode ser ignorada. É um erro comum pensar que este problema está restrito apenas a áreas menos urbanizadas ou com saneamento precário. Na verdade, o mosquito não conhece fronteiras socioeconômicas, tornando os condomínios também vulneráveis. Por isso, a união de esforços entre síndicos, subsíndicos, conselheiros fiscais, trabalhadores dos condomínios e, principalmente, os moradores, torna-se fundamental.

Os sintomas da dengue, como febre, dor no corpo e nas articulações, são um alerta para a gravidade da doença, que pode evoluir para formas mais severas e até fatais. Dessa forma, a prevenção contra o mosquito da dengue é essencial, considerando a doença uma ameaça à saúde coletiva.

Estratégias de Prevenção no Condomínio

A prevenção é a única arma eficaz contra o mosquito, e isso implica a eliminação dos possíveis criadouros. Algumas ações essenciais incluem:

Observação de Acúmulos de Água: É crucial limpar as calhas regularmente e verificar poças de água da chuva. Áreas com acúmulo de água são ambientes ideais para a procriação do Aedes aegypti.

Dedetização: Em caso de sinais do mosquito, é recomendável a contratação de serviços de dedetização e a solicitação de inspeção da prefeitura para garantir que o local está livre de focos.

Manutenção de Caixas e Reservatórios de Água: Deve-se assegurar que esses locais estejam sempre limpos, tampados e, se possível, protegidos com telas.

Verificação do Fosso do Elevador e da Piscina: Estes são locais propícios para a proliferação do mosquito e devem ser verificados e limpos regularmente.

Conscientização dos Condôminos: Informar os moradores sobre os riscos e medidas de prevenção é vital. A comunicação pode ser feita por meio de cartazes, informativos e até durante as assembleias do condomínio.

Atenção a Pontos Críticos nas Unidades Residenciais: Vasos de plantas, vasos sanitários pouco utilizados, bandejas de ar-condicionado, geladeiras, filtros d'água, trilhos do box do banheiro, ralos e lixeiras são locais que merecem atenção especial.

Combater a dengue nos condomínios brasileiros é uma responsabilidade de todos. Cada membro da comunidade condominial tem um papel crucial neste combate, e a colaboração coletiva é a chave para um ambiente mais seguro e saudável. Não podemos subestimar a importância de cada ação preventiva contra o Aedes aegypti, pois o bem-estar de todos está em jogo. Vamos juntos fortalecer essa luta contra a dengue nos nossos lares e comunidades.


*Paulo Melo é Especialista em Condomínios, Administrador, Jornalista e está Síndico em 5 Condomínios, ex-presidente da Associação Brasileira de Síndicos e Condomínios – ABRASSP e está presidente do Instituto Nacional de Condomínios e Apoio aos Condôminos - INCC.

Edilayne Martins

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF
Bio Caldo - Quit Alimentos
Canaã Telecom