Laélia de Alcântara: a pioneira senadora negra que desafiou a ditadura racista

Foto Agência Senado

Primeira senadora negra do Brasil assumiu há 40 anos em meio à ditadura 


Brasília - Há exatos 40 anos, em 3 de abril de 1981, o Brasil teve pela primeira vez uma mulher negra no Senado Federal. O pioneirismo coube à médica Laélia de Alcântara, do antigo MDB do Acre. Ela assumiu a cadeira em plena ditadura militar, quando a política oficial negava a existência do racismo no país.  

Aos 57 anos e sem nunca ter ocupado um cargo público, Laélia chegou ao Senado como suplente. Já havia outra mulher na Casa, a senadora Eunice Michiles (PDS-AM). Coube a ela dar as boas-vindas à nova colega, ressaltando que ambas eram da Amazônia.

No discurso de estreia, Laélia prometeu lutar pelos graves problemas de saúde, educação e pobreza enfrentados pela população do Acre. Denunciou a discriminação racial e o mito da democracia racial propagado pelo regime militar.

A nova senadora, que usava um vestido rosa e óculos presos por uma corrente, chegou à posse acompanhada pelo marido e seis dos sete filhos. Recebeu flores de um colega ausente.

Laélia assumiu o mandato duas vezes, primeiro por quatro meses e depois em definitivo após a morte do titular, encerrando-o em 1983. Não conseguiu aprovar projetos, mas sua presença pioneira abriu caminho para outras mulheres negras na política.

Saiba mais

A história da primeira senadora negra do Brasil, Laélia de Alcântara, é pouco conhecida, mas muito importante. Para aqueles que desejam saber mais sobre essa pioneira da representatividade negra na política brasileira, convido a ler a matéria completa publicada pela Agência Senado disponível em:


A reportagem detalha a trajetória de Laélia, seu papel na luta contra o racismo e pela redemocratização do país. Vale a pena conferir!

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF
Bio Caldo - Quit Alimentos
Canaã Telecom