Opinião: Inteligência artificial e a empresa cognitiva no contexto da indústria 4.0

 


*Werner Flogel

 

O termo “empresa cognitiva” tornou-se cada vez mais significativo no contexto da Indústria 4.0 nos últimos anos. Envolve uma nova abordagem onde a Inteligência Artificial (IA) e outras tecnologias cognitivas são utilizadas para melhorar a tomada de decisões, aumentar a eficiência operacional e criar novos modelos de negócios.

As empresas cognitivas utilizam IA e outras tecnologias cognitivas para automatizar e expandir processos, aumentar a eficiência e melhorar a tomada de decisões. Por exemplo, a análise de dados, a aprendizagem automática e o processamento de linguagem natural são utilizados para obter insights, automatizar tarefas e tomar melhores decisões.

No livro de 2022, "Caminhos para a produção autônoma – um guia de inovadores para inovadores” o professor Sand descreve a informatização (pelo menos parcial) das atividades cognitivas como um fator necessário para a implementação completa dos diferentes estágios de Indústria 4.0. No artigo, ele indica o que constitui uma empresa cognitiva, quais as vantagens que ela oferece e por que está se tornando cada vez mais importante.

Um dos elementos mais importantes de uma empresa cognitiva é a sua capacidade de aprender e se adaptar. Em outras palavras, os dados estão no cerne de uma empresa cognitiva. Ao recolher e analisar grandes quantidades de dados de diferentes fontes, tais como interações com clientes, tendências de mercado ou experiências de utilizador, podem ser obtidos novos conhecimentos e tomadas melhores decisões para o desenvolvimento de novos produtos e serviços, por exemplo, para reagir de forma mais eficaz a mudanças nas condições de mercado, requisitos do cliente e outros fatores.

Neste processo, uma empresa cognitiva depende de uma série de tecnologias cognitivas, incluindo:

·        Processamento de Linguagem Natural (PNL): permite que as máquinas entendam e interpretem a linguagem humana. Isso pode ser usado para automatizar as interações de atendimento ao cliente, analisar o clima nas redes sociais e obter insights de dados não estruturados.

·         Aprendizado de Máquina (ML): os algoritmos de ML permitem que as máquinas aprendam com os dados e melhorem seu desempenho ao longo do tempo. Isto pode ser usado para otimizar processos de negócios, prever o comportamento do cliente e identificar fraudes.

·        Visão computacional (CV): As tecnologias CV permitem que as máquinas interpretem dados visuais, como imagens e vídeos. Isso permite identificar erros nos processos produtivos, monitorar fluxos de tráfego e rastrear estoques.

·        Automação robótica de processos (RPA): RPA usa robôs de software para automatizar tarefas repetitivas, como entrada de dados e relatórios. Isso permite que os funcionários se concentrem em tarefas de maior valor.

Mas, que vantagens uma empresa cognitiva oferece? A inteligência artificial (IA) é um componente chave de uma empresa cognitiva, permitindo à empresa automatizar e otimizar seus processos, melhorar a tomada de decisões e criar novo valor para os clientes. Eas empresas cognitivas estão se tornando cada vez mais importantes para uma série de razões, entre elas:

·        Maior eficiência: A automação e otimização de processos de negócios permitem que as empresas cognitivas aumentem a eficiência, reduzam custos e melhorem a qualidade.

·        Melhor tomada de decisões: O acesso a dados em tempo real e análises aprofundadas permite que as empresas tomem decisões bem fundamentadas com mais rapidez.

·        Melhor experiência do cliente: O uso de tecnologias cognitivas permite que as empresas ofereçam aos seus clientes experiências personalizadas, melhorando a satisfação e a fidelização dos clientes.

·        Vantagem competitiva: Os sistemas cognitivos permitem que as empresas permaneçam à frente dos concorrentes, aprendendo e adaptando-se continuamente às mudanças nas condições do mercado.

Em suma, a empresa cognitiva é uma nova abordagem que utiliza IA e outras tecnologias cognitivas para automatizar processos de negócios e desenvolver novos modelos de negócios. Numa empresa cognitiva, os conceitos de “Visão, Compreensão e Estar preparado”, são considerados etapas-chave no roteiro da Indústria 4.0 e estão em constante desenvolvimento. Criar o futuro significaque as empresas cognitivas dependem da inteligência artificial e das tecnologias cognitivas no seu caminho para alcançar a produção autônoma.

 

*Werner Floegel é diretor de Inovação Estratégica da Gemü

 

Sobre a GEMÜ do Brasil – Com fábrica em São José dos Pinhais (PR) desde 1981, a GEMÜ do Brasil produz válvulas e outros equipamentos de alta tecnologia para diversos setores. Na divisão Industrial, fornece produtos para os setores de siderurgia, mineração, fertilizantes, bem como para integrar sistemas de geração de energia, entre outros. Na divisão PFB (Farmacêutica, Alimentícia e de Biotecnologia), é líder mundial em soluções para sistemas estéreis, que incluem a fabricação de vacinas, remédios e novas aplicações de envase de alimentos e bebidas.

Sobre o Grupo GEMÜ – O Grupo GEMÜ é um dos líderes mundiais na fabricação de válvulas, sistemas de medição e controle. Desde sua fundação em 1964, a empresa alemã com foco global se estabeleceu em importantes setores industriais, graças a seus produtos inovadores e soluções personalizadas para controle de processos. A GEMÜ é líder mundial no mercado de aplicações de válvulas estéreis nas indústrias farmacêutica e de biotecnologia. O Grupo GEMÜ emprega mais de 2 mil pessoas em todo o mundo, com plantas na Alemanha, Suíça, China, Brasil, França e EUA. A rede de distribuidores está presente em mais de 50 países nos cinco continentes. Veja mais no site.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF
Bio Caldo - Quit Alimentos
Canaã Telecom