Vendas de máquinas agrícolas devem cair 5% em 2024, diz consultor

Foto: Andre BorgesAgência Brasília
Baixos preços da soja afetam o mercado de máquinas agrícolas, com projeção de retração nas vendas de tratores e colheitadeiras - Foto Andre Borges / Agência Brasília

Perspectivas de recuperação no segundo semestre de 2024 com possíveis reduções nos juros dos financiamentos e demanda por máquinas agrícolas mais potentes


Opinião – O ano de 2024 deve ser tão difícil para as fabricantes de máquinas agrícolas como foi o ano de 2023,quando houve uma queda nas vendas de 8%. As vendas de tratores podem cair até 5% este ano, para 51,5 mil unidades, no que seria o segundo ano consecutivo de recuo nas vendas.

A projeção é do consultor Carlos Cogo, da Cogo Inteligência em Agronegócio, que acompanha há décadas o segmento de máquinas agrícolas. Segundo ele, o cenário deve-se a uma série de fatores, sendo o mais importantea expectativa de queda nos preços da soja pelo terceiro ano consecutivo.

A consultoria calcula um valor médio US$ 23,44 para a saca em 2024 para o produtor de Mato Grosso, por exemplo, na comparação com a média de US$ 24,33 no ano passado.

O estado do Mato Grosso é o que mais produz soja no Brasil, sendo por isto referência no agronegócio do país. Desde a safra 1999/00, o estado do Centro-Oeste lidera em volume. Em 2022/23 foram 45,6 milhões de toneladas.

"Os produtores costumam atrelar todos os seus investimentos, e não só em máquinas, ao valor de mercado da soja", explica Cogo. "Só depois pensam na rentabilidade da fazenda, nos juros ou nos preços das máquinas".

Os preços mais baixos podem afetar até o volume de produção da soja. Produção menor significa colheita menor, o que afetará principalmente as vendas das colheitadeiras.

A estimativa de Cogo é de uma retração de 6% nas vendas deste importante equipamento agrícola este ano, para 7,4 mil unidades. Queda menor, entretanto, do que a de 2023, quando foi de 10%. O consultor observa, porém, que embora preveja retração no segmento, as vendas de colheitadeiras neste momento estão acima da média dos últimos dez anos.

PLANO SAFRA – De qualquer forma, apesar da má notícia dos preços mais baixos da soja, para o consultor a situação está longe de se apresentar calamitosa. Segundo ele, o produtor notará um aumento da rentabilidade após a safra de verão, o que poderá fazê-lo pensar em investimentos.

"O custo de produção já caiu 12%, em média, na comparação com 2022/23", observa Cogo. "No final das contas, somando e subtraindo, o produtor vai perceber que foi um bom ano, ou pelo menos não tão ruim".

Ele adverte, no entanto, que a produtividade das lavouras e, consequentemente, a rentabilidade das propriedades rurais, dependerá do clima, que desde alguns anos vem se mostrando cada vez mais imprevisível.

Eventuais novos investimentos dependerão ainda da safra de milho, que será postergada devido ao atraso no cultivo de verão. O milho, tradicionalmente, é considerado pelos produtores uma espécie de cultura "reserva", mas vem ganhando cada vez mais espaço próprio nas fazendas.

Para Cogo, a recuperação dos negócios também deverá ser impulsionada no segundo semestre com a provável queda dos juros dos financiamentos no PlanoSafra 2024/25, na esteira dos juros mais baixos da economia.

De fato, o Moderfrota do Plano Safra 2022/23 – lançado em julho de 2022 – ficou com juros de 12%, enquanto a taxa básica de juros estava em 13,75%. De lá para cá, a Taxa Selic caiu para 11,75%, e o mercado é unânime em projetar que os cortes vão continuar.

"Isso indica que o produtor pode esperar o novo Plano Safra para comprar máquinas agrícolas", acredita o consultor. "Na verdade, é mesmo o que ele deveria fazer, a não que esteja com muita pressa para ter novas máquinas ou tenha acesso a juros mais baixos em bancos privados".

O consultor vê no mercado a tendência de busca, pelos produtores, de máquinas maiores e mais potentes, por exemplo, acima de 500 cavalos. Para ele, não é incomum no Brasil propriedades que desenvolvem três safras, o que não acontece em nenhuma outra parte do mundo. "Mas para isto e o produtor precisa de máquinas robustas e potentes, não necessariamente grandes, que aguentem esse volume de trabalho", diz.

É o oposto do que acontece com a agricultura familiar, que, devido à crescente falta de mão de obra, está aumentando cada vez mais a procura por maquinário agrícola. Neste caso, porém, as máquinas são específicas e pequenas, com média de 130 cavalos de potência. (Alberto Mawakdiye)

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF
Bio Caldo - Quit Alimentos
Canaã Telecom