Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display

404

Página não encontrada

Início


Esse mundo existe?


Por Jean Sigel


O ano era 2015. A Escola de Criatividade fez parte da curadoria de conteúdo e experiência criativa para um grande evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em Brasília. Auditório lotado com dois mil empresários para a fala do palestrante mais esperado e que encerraria o evento. Tratava-se do ex-presidente americano, Bill Clinton. Entre mensagens de otimismo e união dos empresários em meio a grave crise política e econômica que o país atravessava naquele ano, ele dava grande destaque a uma frase que citava quase como um mantra ao longo do discurso. “O mundo pertence aos que cooperam”. Nesse momento olhei pra minha sócia e cochichei ao ouvido: “Finalmente algum líder está falando uma verdade direta e corajosa a tantos empresários”.

Antes de encerrar sua fala, o ex-presidente fez questão de ressaltar que o melhor livro sobre política e estratégia lido por ele, “A conquista social da terra”, foi escrito por um entomologista americano, Edward Osborne Wilson, que fala sobre a forma como abelhas, formigas e o ser humano conseguem avançar em suas sociedades justamente por meio da cooperação.

A fala nos remeteu às tantas cooperativas de diferentes setores que atendemos com treinamentos e eventos e que possuem em seu código genético esse mundo no qual o ex-presidente se referia. Nesses anos todos muito próximo delas, desde cooperativas de crédito, saúde, agro e outras, chegamos a conclusão que não só temos ensinado, como também aprendido e muito com elas. Diria que uma troca cooperativa de sabedoria e propósito.

Desde que conhecemos esse mundo do cooperativismo, e das pessoas que cooperam por objetivos e propósitos comuns, nosso olhar em relação ao mundo do trabalho mudou completamente. A forma de atender e desenvolver nossos conceitos e projetos, evoluiu. Cada conteúdo, projeto ou treinamento novo teria que instigar mais colaboração, cocriação e ter o olhar de impacto do todo que as cooperativas sempre nos ensinaram.

Como não se encantar com empresas altamente eficazes que também se preocupam, na mesma dose, com seu papel na sociedade e como sua comunidade pode ser impactada positivamente?

Ou onde tudo que é produzido retorna de várias formas pra você mesmo e para a comunidade?

Como não aprender e se sensibilizar com um sistema que tem como princípios: a adesão voluntária e livre, gestão democrática, participação econômica dos cooperados, autonomia e independência, educação, formação e informação, intercooperação, e interesse pela comunidade? Princípios e valores que formam a razão de existir de um negócio, seguidos em todo mundo e que hoje se alinham inclusive com os objetivos do milênio da ONU para o desenvolvimento sustentável.

Como não ficar impactado com cooperativas que destinam boa parte de seus resultados a projetos socioeducacionais para crianças e jovens, como parte central de seu negócio, e não como ferramenta de marketing social conveniente e provisório feito por algumas empresas?

O que esperar de comunidades e regiões onde cooperativas estimulam e desenvolvem projetos voltados ao empreendedorismo e liderança da mulher e a temas sensíveis relacionados a preconceito, assédio, equidade e oportunidade? Ver jovens e experientes mulheres unidas em busca de conhecimento e atitude, nos cantos mais distantes do país é uma dose de otimismo na veia para uma sociedade mais igualitária.

Pois é. Esse mundo existe. Nesses anos todos atendendo cooperativas concluímos que é um mundo que dá certo e evolui, justamente pelo equilíbrio que propõe. Um mundo não apenas onde todos fazem parte por norma, mas onde todos se sentem parte verdadeiramente. Senso de pertencimento real, sem propaganda enganosa, que une a todos em torno de algo maior, entre gestores, colaboradores, cooperados e a população. Cresce e se desenvolve junto com as pessoas. É inovador e sensível a causas necessárias para o mundo. Pois sabe que a inovação depende de pessoas e que o crescimento só acontece quando colaboramos uns com os outros. Onde o impacto econômico e social é parte do negócio. É mais do que um sistema ou princípio.

Cooperar é um modo de ser e sentir. Um lifestyle bom de viver e trabalhar. E para acessar o portal a esse outro mundo, basta uma palavra mágica: cooperar.

O mundo pertence aos que cooperam.


*Jean Sigel é palestrante e co-fundador da Escola de Criatividade de Curitiba.
Leave A Reply

Blog do Paulo Roberto Melo

[name=Blog do Paulo Melo] [img=https://2.bp.blogspot.com/-SMQa2r91n1w/WxcuM5dFiAI/AAAAAAAAHbE/-xMkvHecaMMxZr2u27V4lWwHMKY6IgyqgCK4BGAYYCw/s0/BLOG-DO-PAULO-MELO-ELEI%25C3%2587OES-2018.png] [description=Sou formado em Gestão Pública pela UCDB e Gestão Empresarial na UNIPLAN, já cursei Ciência Política na UDF, trancando no 3° período. Também cursei Ciências Contábeis na UPIS.Tenho pos graduação em Gerenciamento de Projetos pela Uniandrade e MBA em Marketing pela FGV..] (facebook=Facebook.com) (twitter=Twitter.com) (instagram=Instagram.com) (bloglovin=Blogvin.com) (pinterest=Pinterest.com) (tumblr=Tumblr.com)