Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display



404

Página não encontrada

Início

Goiás tem tido um olhar cada vez mais atento às práticas sustentáveis no setor agropecuário, visando à consolidação de uma economia de baixa emissão de carbono, seguindo o tripé da sustentabilidade: ambiental, econômico e social. Neste ano, por exemplo, foi instituído o Plano Estadual de Gestão da Agropecuária de Baixo Carbono e Sustentável (ABCS), no escopo do ABC + Federal


Por Pedro Vilela


Os Bioinsumos, a Bioeconomia e os Pagamentos por Serviços Ambientais estão no ABCS, além de temas como extrativismo de baixo impacto no Cerrado, outras formas de agricultura, caso da hidropônica, entre outros. Recentemente, também, a Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF) e a Agricultura de Precisão foram reconhecidos pelo Koronovia Joint Work como referência de produção e conservação.

Esses são exemplos que integram a produção sustentável aliada à conservação dos biomas. E o setor florestal já vai na dianteira desse soft power exercido pela agricultura nacional. A ordem tem sido produzir mais, em menores áreas, manter ambientes nativos intocados e recuperar outros degradados.

No Brasil, dos nove milhões de hectares de florestas plantadas, 7,4 milhões são certificados pelo FSC, sigla em inglês para a palavra Forest Stewardship Council. O selo garante que o papel, que vai em quase toda embalagem, sofre rígidas auditorias trabalhistas, sociais e ambientais. Essas indústrias de celulose e papel são co-geradoras autossuficientes. A bioenergia da madeira, que é usada no ferro-gusa (chamado fora de ‘ferro verde’), indústrias de alimento e na construção civil é uma fonte intermitente, ao contrário de hidrelétricas e eólicas.

O setor naturalmente só existe com sustentabilidade e planejamento em longo prazo. Populações tradicionais e grandes empresas usam metodologias específicas para extrativismo de produtos que ainda não conseguimos produzir de forma agronômica.

O Brasil é um dos maiores geradores de tecnologia na cadeia primária. Para o setor florestal, Goiás tem seu lugar: aqui desenvolvemos a melhor tecnologia de seringais com a maior produtividade mundial. As características do setor, da forma de produzir, do nível de produtividade, variedade de produtos e conhecimentos necessários refletem sobre o profissional que surgiu para gestá-lo.

O engenheiro florestal congrega os conhecimentos em estatística, biologia e química que são indissociáveis para a conservação e manejo de áreas nativas ou a produção florestal. É necessária uma visão holística sobre o ecossistema e as cadeias produtivas.

Na versão mais recente da série documental “Cosmos”, Neil deGrasse expõe que para a humanidade consolidar sua colonização pelo espaço, ela precisará sempre de um porto seguro para onde voltar: é o nosso próprio planeta Terra, que precisa produzir, mas ser preservado. Na engenharia florestal, esse modus operandi está enraizado. Para nós é inerente que os processos produtivos sejam contínuos, replicáveis, e que permitam o aumento quali-quantitativo de áreas nativas intocadas, aliado à recuperação daquelas que necessitam.

Assim como o setor, o profissional precisa ser mais valorizado. Isso é ganho para a sociedade. Portanto, para o futuro do planeta, neste dia 12 de julho, feliz dia engenheiras e engenheiros florestais!


PEDRO VILELA

Engenheiro florestal e assessor técnico da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa)
Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA