Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display



404

Página não encontrada

Início

O metaverso que constrói o mundo virtual de Snow Crash, livro de Neal Stephenson de 1992, é daqueles shows de ficção que enredam o leitor do começo ao fim. De alguma forma, a publicação parece cruzar mais tarde os caminhos dos jogadores de Second Life e seu ambiente em 3D simulando a vida real. No dia a dia, o universo bem combinado entre a realidade virtual e a realidade aumentada ainda carece de plena criação. 


Porém, mais próximo de realidades produtivas, como as aplicadas à construção civil, o metaverso tem partido da necessidade – gestora de muitas soluções, especialmente no insólito cenário que atravessamos – em proporcionar ao consumidor um ambiente virtual imersivo, coletivo e hiper-realista que simule o ideal de aconchego, segurança e bem-estar na nova moradia que escolhe para viver.


As previsões e relatórios de tendências confirmam. Uma pesquisa divulgada pela consultoria e auditoria PwC projeta para 2030 cerca de 23,5 milhões de empregos que usarão a realidade aumentada e também a virtual para reuniões, tarefas e serviços de atenção ao cliente. No caso da construção civil, isso está deixando de ser uma tendência há algum tempo… Para se tornar rotina!


Entre os recursos aplicados às obras, a Modelagem da Informação da Construção (BIM, na sigla em inglês) merece destaque. Em linhas gerais, esta metodologia permite criar soluções digitais - também conhecidas como gêmeos digitais - manejando de forma coordenada toda a informação de um projeto de engenharia e arquitetura. 


A evolução dos projetos BIM proporciona maior domínio sobre as atividades que serão executadas. É possível prever, por exemplo, as interferências que um projeto poderá sofrer no canteiro e antecipar soluções na execução da obra.


A pandemia, que gera necessidades, provoca ações e aguça soluções, acelerou a aplicabilidade do metaverso quando, por exemplo e por segurança sanitária, impediu-se a circulação de visitantes nos showrooms. Foi então que as plataformas digitais foram além, proporcionando uma experiência em visitação com um tour 360o virtual do apartamento decorado e de todas as áreas de lazer, convivência e integração dos empreendimentos residenciais e corporativos em construção. E, até mesmo, fechamento de negócios à distância, de forma totalmente virtual. Quando iríamos imaginar que realizaríamos o sonho de uma casa nova à distância?


Dois anos após o anúncio da pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), já vislumbramos a possibilidade de oferecer uma experiência sensorial ainda mais completa no showroom. O consumidor pode perceber minuciosos detalhes, tocar superfícies e experimentar recursos acústicos e térmicos como se estivesse em seu futuro apartamento.


Nesta nova realidade que possibilita a vivência presencial, o metaverso engatinha. Podemos - e vamos - aprimorar as tecnologias para integrar cada vez mais os ambientes físico e digital. Hoje, o desenvolvimento de ferramentas já permite que o futuro morador veja e opine sobre acabamentos, meça espaços, sugira modificações e interaja ainda mais com os responsáveis pela obra para tornar os espaços perfeitamente adequados às suas necessidades e, sobretudo, harmoniosos com o seu ideal de bem viver. Até onde essa experiência imersiva e personalizada poderá chegar? 


Que a pandemia acelerou os processos de realidade virtual dentro da construção civil é inegável. E as construtoras e incorporadoras que mergulharam sem medo no ambiente digital já estão um passo à frente, rumando ao futuro que está no metaverso: de second life para real life.


*Maria Fernanda Beneli é superintendente de marketing do Grupo A.Yoshii



[post_ad]
Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA