Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display







IESB

404

Página não encontrada

Início

Nova vacina contra herpes zóster protege adultos com duas doses

 

Imunizante previne em até 90% a chance da reativação do vírus

 

O herpes zóster é uma manifestação tardia do mesmo vírus causador da catapora, também conhecida como varicela. Até poucos anos, quando a vacina varicela não estava disponível, as pessoas tinham a doença e, após a cura da infecção, mantinham o vírus contido pelo sistema imunológico. Ocorre que, com o passar dos anos, principalmente após os 50 anos, as pessoas que tiveram catapora quando pequenas podem sofrer uma reativação do vírus e desenvolver o herpes zóster.

A novidade no mercado é uma vacina recombinante e inativada que apresenta 90% de eficácia e é aplicada em duas doses. Além de utilizar o vírus inativado, a vacina é chamada de recombinante porque a proteína do vírus é produzida em laboratório numa linhagem de células. O imunizante é indicado para pessoas com mais de 50 anos e para aquelas a partir de 18 anos com um risco aumentado para desenvolver o herpes zóster.

O vírus da catapora, cujo nome é varicela zóster, fica contido pelo sistema imunológico desde a época em que a pessoa teve a doença até o final da vida. "Com o passar dos anos e o envelhecimento dos indivíduos, a reativação desse vírus pode acontecer em cerca de uma em cada três pessoas. Isto se dá porque o sistema imunológico não consegue mais conter a replicação do vírus e a pessoa apresenta lesões, muitas vezes no tronco, mas também na face. O zóster, como chamamos, é pruriginosa, ou seja, provoca coceira, irritação e pode ser dolorosa durante um período”, destaca a Dra. Maria Isabel de Moraes Pinto, infectologista da Dasa Centro-Oeste, a maior rede integrada de saúde do Brasil que, na região, reúne laboratórios como o Exame Medicina Diagnóstica (DF), Atalaia Medicina Diagnóstica (GO), Laboratório Bioclínico (MS) e Cedic Cedilab Imagem e Laboratório (MT).

Segundo o médico infectologista André Bon, do Hospital Brasilia, também pertencente à Dasa, a principal complicação relacionada ao herpes zóster é a nevralgia pós-herpética - uma dor muito intensa que segue o trajeto do nervo que foi acometido pela reativação da herpes zóster.  “Se inicia durante o episódio zóster e permanece mesmo depois da cura das lesões visíveis. Ela pode ser incapacitante, com uma dor muito intensa e precisa de tratamento específico com modulador de dor”, ressalta o médico.

 

Dois tipos diferentes de vacinas

Como prevenção à reativação do vírus varicela zóster, existem atualmente dois imunizantes: uma vacina viva atenuada e que está indicada para pessoas acima de 50 anos, quando justamente o sistema imunológico passa a diminuir a sua capacidade de conter a replicação do vírus. Essa vacina tem eficácia de 50%, ou seja, ela reduz pela metade a chance de a pessoa ter zóster.

Já a segunda vacina, apresentada recentemente ao mercado brasileiro e já disponível na Dasa, é recombinante e inativada. "A segurança da vacina recombinante foi extensamente estudada e a taxa de eficácia chega a 90%, o que proporciona um benefício para a população”, afirma Dra. Maria Isabel.

Segundo a especialista, é fundamental que os médicos informem que há dois tipos de vacina disponíveis: a primeira, com uma dose só e eficácia de 50%; e outra com esquema de duas doses, com eficácia maior. "Normalmente não há recomendação de se repetir o esquema vacinal, ou seja, uma dose se for a vacina viva atenuada ou duas doses se for a vacina inativada. Além disso, a vacina que é inativada está disponível também para pessoas imunossuprimidas. Nesse caso, a vacina é recomendada para pessoas acima de 18 anos, pois os imunossuprimidos podem ter o zóster mais precocemente", esclarece a infectologista.

O infectologista André Bon reforça que tanto para a vacina recombinante inativada como para a atenuada, a eficácia diminui ao longo do tempo, porém, o risco é maior quanto mais velha a pessoa for.  “Pacientes que tomam a vacina com 50 anos de idade podem chegar aos seus 70 anos com uma taxa de proteção um pouco mais baixa.  Então vale a pena conversar com o médico para avaliar, individualmente, o melhor momento de realizar a vacina recombinante, se for o caso”, destaca. Segundo o especialista, essa é a vacina mais indicada por sua maior eficácia, menos efeitos adversos e, especialmente, maior eficácia contra a reativação de zóster e nevralgia pós-herpética.

A Dra. Maria Isabel destaca ainda que o médico prescritor deve descrever qual o tipo de vacina é indicado para o paciente. “De toda forma, em nossas unidades de vacinação, temos um time capacitado para esclarecer as dúvidas e explicar a diferença entre os dois tipos de imunizante. Mas é importante que as pessoas saibam que são vacinas diferentes, com eficácias diferentes e com esquemas vacinais diferentes", orienta a médica.

 

Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA