Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display





404

Página não encontrada

Início

João Alfredo Lopes Nyegray*


Na última semana, o anúncio chinês do envio de tropas para a Rússia mostrou que não apenas falhou a tentativa ocidental de isolar o regime de Moscou, como aponta que as recentes incursões de políticos estadunidenses em Taiwan apenas empurrou os chineses para próximo de Putin. Segundo anúncios oficiais, no final de agosto, China, Rússia, Índia, Tajiquistão e Belarus realizarão exercícios militares conjuntos.  

Ainda que a manobra Vostok – como tem sido chamado o programa para exercício militar – ocorra no leste russo, há muito em jogo nessa demonstração de aliança. Quando militares russos invadiram a Ucrânia em fevereiro deste ano, a China manteve uma postura pró-Moscou. É possível que Pequim enxergue a relação Rússia-Ucrânia como a própria relação com Taiwan – que considera uma província rebelde que desafia a política de “uma só China”.

Quando a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA visitou Taiwan no início de agosto, os primeiros a manifestar apoio à causa chinesa foram justamente os russos; e a posição estadunidense em relação à ilha pode ser o estopim que faltava para que o apoio chinês à Rússia seja mais do que apenas retórico. Chineses são grandes fabricantes de armas, e, nesse exato momento, estão construindo não um, mas cinco novos destroieres para aumentar sua frota náutica. O envio de armas chinesas para a Rússia pode fazer com que a guerra na Ucrânia entre numa nova e ainda mais cruel fase.

Enquanto ocorrem articulações militares e diplomáticas entre China, Rússia, Belarus, Índia e Tajiquistão, os ucranianos mostram que a melhor defesa é o ataque: pelo menos oito aviões de caça russos foram inutilizados após um ataque à base aérea de Saky, em 11 de agosto – e os russos não confirmam que se tratou de um ato ucraniano. Drones enviados pelos soldados de Kiev seguem atacando navios no Mar Negro e linhas russas de suprimentos em terra. Enquanto tudo isso ocorre no front de batalha, um ataque à bomba em Moscou vitimou Darya Dugina, a filha de um dos filósofos que mais influenciou Putin, Alexander Dugin.

Tudo indica que o alvo do ataque não era Darya, mas Alexander: o filósofo já pregou incontáveis vezes a aniquilação dos ucranianos, e sua obra “Fundamentos da Geopolítica”, publicada em 1997, defende a criação de um império Eurasiático comandado por Moscou, cuja extensão transcontinental de Dublin a Vladivostok pudesse semear a instabilidade e o caos nos Estados Unidos. Inicialmente um anticomunista, Alexander Dugin ganhou notoriedade com suas publicações pró-Rússia e anti-EUA, além de propor a criação de um novo “fascismo russo”, altamente nacionalista e populista.

Após o atentado, tem-se o questionamento: seria esse um ato interno de dissidentes russos, ou seria um ato de guerra patrocinado por Kiev? Se o atentado foi pensado e executado por russos, dificilmente Putin o reconhecerá abertamente – uma vez que, admitir que a morte de Dugina foi trabalho interno provaria que sua liderança não é unânime como deseja e alardeia o presidente. De outro lado, o atentado pode servir para que Putin siga defendendo que o regime ucraniano é terrorista e deve ser eliminado – mas não sem, a partir de agora, temer uma guerra longe do Donbass e cada vez mais perto do Kremlin e de outras grandes cidades russas. Seria por isso o descaso russo com a instabilidade nuclear em Zaporizhia?

*João Alfredo Lopes Nyegray, especialista em Negócios Internacionais, doutorando em estratégia, coordenador do curso de Comércio Exterior e professor de Geopolítica e Negócios Internacionais na Universidade Positivo (UP). @janyegray

Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA