Goiás alerta para esquema vacinal completo contra monkeypox

Receber segunda dose da vacina contra o vírus mpox é fundamental para garantir resposta imunológica necessária (Foto: Iron Braz)

A Secretaria da Saúde de Goiás (SES) lança alerta sobre a importância do grupo elegível completar o esquema vacinal contra a monkeypox, doença que tem sintomas semelhantes aos da varíola, mas com menor gravidade.

Segundo a SES, dos 2.549 goianos que têm indicação para receber a vacina, 1.383 (54%) estão com o esquema vacinal incompleto, ou seja, não tomaram a segunda dose do imunizante.

MONKEYPOX

A monkeypox é causada pelo vírus mpox, que provoca, entre outros sintomas, erupções na pele, febre e dores no corpo, na cabeça e na garganta. A transmissão da monkeypox ocorre por meio do contato direto com secreções respiratórias, lesões de pele ou fluidos corporais de uma pessoa infectada e, ainda, por meio de objetos contaminados.

Gerente de Imunização da SES, Joice Dorneles explica que o esquema de vacinação contra a monkeypox é composto por duas doses, a serem aplicadas em um intervalo de quatro semanas (28 dias). A aplicação das duas doses, reforça ela, é fundamental para garantir a resposta imunológica necessária.

Joice orienta que as pessoas que ainda não completaram o esquema devem procurar a unidade onde tomaram a primeira dose – Hospital Estadual da Mulher Dr. Jurandir do Nascimento (HEMU), Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC) e Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT).

O Ministério da Saúde (MS) disponibilizou doses suficientes ao estado para atender o público prioritário e encerrar os esquemas vacinais iniciados. Não há previsão de envio de mais doses para o início de novos esquemas. A vacinação contra a monkeypox teve início em março do ano passado com o objetivo de assegurar a proteção às pessoas com maior risco de evolução para as formas graves da doença.

GRUPO ELEGÍVEL

indivíduos vivendo com HIV/aids (homens cisgêneros, travestis e mulheres transexuais), com idade igual ou superior a 18 anos, independente do status imunológico identificado pela contagem de linfócitos TCD4;
profissionais que trabalham diretamente com orthopoxvírus em laboratórios com nível de biossegurança 2 (NB-2), na faixa etária de 18 a 49 anos; e, ainda,
indivíduos que tiveram contato direto com fluidos e secreções corporais de pessoas suspeitas, casos prováveis ou confirmados para mpox, cuja exposição seja classificada como de alto ou médio risco, conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), mediante avaliação da vigilância local.

Os dados da SES-GO revelam que, de 2022 até fevereiro deste ano, foram confirmados 667 casos de monkeypox em Goiás. Outros 2.581 foram caracterizados como suspeitos pelo fato de as pessoas terem apresentado início súbito de lesão em mucosas ou erupção cutânea sugestiva de monkeypox.

Editado por Juliana Carnevalli via Secretaria da Saúde - Governo de Goiás

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos
Canaã Telecom