Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display





404

Página não encontrada

Início
Encontro na sede da Fecomércio com representantes de 33 sindicatos foi pautado pelo avanço no diálogo entre Estado e empresários, demandas do comércio e medidas que beneficiaram o setor na atual gestão



A relação de parceria entre a atual gestão e o setor empresarial goiano, com total articulação conjunta nas decisões do governo, foi destaque na reunião do governador Ronaldo Caiado, candidato à reeleição pelo União Brasil, com representantes de 33 sindicatos, na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Goiás (Fecomércio), em Goiânia, nesta segunda-feira (05/09). O chefe do Executivo apresentou o histórico de sua administração, os desafios superados – como a crise fiscal herdada de governos passados e a pandemia de Covid-19 –, e ainda os caminhos a serem percorridos em um segundo mandato.

Ponto alto nos esclarecimentos dados por Caiado aos representantes do setor produtivo de Goiás, o governador foi aplaudido quando afirmou que "até o final do ano, a Enel não será mais a distribuidora de energia elétrica em Goiás". O governador lembrou que a Celg Distribuição foi vendida na gestão passada por R$ 1,1 bilhão, gerando aos cofres do Estado uma dívida de R$ 12,5 bilhões. Já em sua gestão, a Celg Transmissão, braço menor da antiga Companhia de Energia Elétrica de Goiás, foi negociada por R$ 2 bilhões e 113 milhões.

"A Celg Distribuidora era a maior empresa do Centro-Oeste e, no entanto, foi vendida por R$ 1 bilhão e 100, transferindo 12 bilhões e meio de reais de dívida pra dentro do Tesouro Estadual. Um negócios que ainda vai dar muito o que falar em Goiás", afirmou Caiado. E sobre a futura substituta da Enel no Estado, o governador completou: "Eu já falei com o ministro de Minas e Energia e com a Aneel, porque nós queremos acompanhar o plano de investimento aqui no Estado".

Caiado recebeu das mãos do presidente da entidade, Marcelo Baiocchi, um documento que propõe 14 medidas emergenciais para a retomada econômica em Goiás, visando também a atração de novos investimentos. Entre as pautas, estão a implantação de políticas voltadas ao comércio; criação de linhas de crédito para a área; incentivos fiscais; alíquotas progressivas para empresas que romperem o faturamento máximo do Simples Nacional; entre outras.

Entre os pontos levantados pela entidade, Caiado lembrou que muitos já foram atendidos pelo Governo de Goiás, como o adiamento, para o dia 10 de cada mês, da arrecadação do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunição (ICMS). Antes, a taxa era cobrada nos dias 5, de forma antecipada. "Um dos sinais da má gestão é quando se começa a antecipar arrecadação. Eu prorroguei a data. Isso deu muito mais flexibilidade para que comerciantes pudessem viver", explicou Caiado.

"Outro ponto que já avançamos é sobre o e-commerce. Temos uma lei na Assembleia Legislativa que já está tratando sobre o assunto. Sobre linhas de crédito, vamos buscar cada vez mais atender as demandas de expansão do comércio de Goiás, com base na capacidade do Estado e também na liberação do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO). Estamos em total articulação com reuniões e promovendo acordos juntos com nossa Secretaria da Economia", explicou o governador.

O chefe do Executivo reforçou ainda o empenho da gestão em áreas como educação, infraestrutura, segurança, saúde e programas sociais, o que permitiu o aquecimento da economia goiana mesmo com a crise fiscal e o período pandêmico. A parceria com os municípios, a futura saída da Enel da administração de energia elétrica em Goiás e o fomento ao setor do turismo também foram ressaltados pelo governador.

"Quando se recebe um governo sem a menor capacidade de investimento, devendo e ainda se enfrenta uma pandemia, é possível perceber que o que nós fizemos foi relevante, foi algo substantivo. Nunca foi visto nada como o que mostramos. Não tenho dúvida que todos sentiram os avanços que fizemos, muito maiores do que foi feito nos últimos 20 anos", ressaltou Caiado.

Representantes do setor de comércio reconheceram o avanço no diálogo com o Estado na gestão Caiado. "Gosto muito deste diálogo aberto assim. Isso é algo que não existia anos atrás", declarou Irma Alves Fernandes, presidente do Sindicato do Comércio de Materiais de Construção (Sindimaco). "Quero ressaltar, governador, sua postura de ser justo e agir de forma correta", expressou Márcio Andrade, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto).

Conheça o portal FOCO NACIONAL: foconacional.com.br
Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA