Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display







IESB

404

Página não encontrada

Início

Há uma série de indicadores econômicos positivos, mas crescimento sustentado depende das reformas estruturais, diz José Roberto Colnalghi



Roberto Colnaghi, indicadores econômicos e reformas
Foto: Divulgação - José Roberto Colnaghi

A evolução da economia nacional no último trimestre trouxe um certo alívio. Mesmo sendo tímidos ainda, os números são positivos em áreas como a produção industrial, geração de emprego, inflação e no setor de serviços, que representa 70% do PIB e é grande gerador de postos de trabalho. Com isso, o PIB do período aumentou 1,2%, acima da expectativa do mercado. “Os números são um alento, mostram uma economia mais dinâmica”, diz José Roberto Colnaghi, presidente do Conselho da Asperbras.


A indústria veio forte no segundo trimestre, subiu 2,2%, sobre o primeiro, com crescimento em todos subsetores e está 0,9% acima do nível pré-pandemia – a economia como um todo está 3% acima. Com isso, a projeção de bancos e corretoras para o PIB deste ano vem subindo há quase três meses e atingiu 2,39%, de acordo com o relatório Focus publicado pelo Banco Central. Para 2023 está em 0,5%.


No Focus, a expectativa de inflação também vem melhorando, tem caído semanalmente e agora está em 6,40%, muito por conta da recente redução dos preços dos combustíveis e da energia. Como resultado, houve dois meses de deflação. A taxa de desemprego no trimestre encerrado em julho recuou para 9,1%.


Boa parte desses dados positivos é explicada pelas medidas de transferência de renda do governo federal. Foram várias iniciativas desde o começo do ano, como pagamento de abono salarial, antecipação do 13º para aposentados, saque do FGTS e, por fim, a PEC emergencial, que elevou o Auxílio Brasil para R$ 600. Este conjunto de ações representou uma injeção de R$ 148,2 bilhões na economia.


Na opinião de José Roberto Colnaghi, para dar fôlego ao crescimento é fundamental retomar a agenda de reformas, como a tributária, que ficou paralisada neste ano eleitoral, e a administrativa, com o objetivo de desinchar a máquina estatal. “Desta forma, será possível garantir o crescimento sustentado e trazer mais investimentos ao país”, finaliza José Roberto Colnaghi.

Leave A Reply

DANNTEC ENGENHARIA